A todos aqueles que reproduzem os textos postados aqui, por favor, quando publicarem em outros blogs ou sites favor mencionar o nome do autor, e se possível nos informar para que tenhamos conhecimento e fazer uma parceria. qualquer dúvida ou sugestão mande um e-mail para pcefabi@hotmail.com. Paulo Cezar de Lima
English French German Spain Italian Dutch Russian Hindi Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

quinta-feira, 12 de agosto de 2010

Pastor e Politica Não Cheira Bem


Ninguém que milita se embaraça com negócios desta vida, a fim de agradar àquele que o alistou para a guerra. ( II Timóteo 2:4)

Estamos a poucos meses da eleição, e com certeza muitos pastores aparecerão em nossos púlpitos pedindo votos de nossos amados irmãos, dizendo que Cristão Vota em Cristão, porém todos sabem que estes só aparecem em época de eleição, e poucos fazem em prol ao reino de Deus.

Lembro que alguns anos atrás ouvi um pastor dizer para a igreja que devemos votar em justo e não em ímpio (claro que se formos levar isso ao pé da letra deveremos votar em branco), é preferível uma pessoa evangélica no poder do que uma pessoa que não possui nenhum compromisso com Deus e com o povo, continuou o pastor.

Não é de hoje que evangélicos estão se envolvendo com a política, alguns pastores se não se candidatar nessa eleição estarão acompanhando seus candidatos em palanques eleitorais, claro que tudo isso será para motivar seus fieis a votarem no candidato de sua escolha.

Quando olhamos para a palavra de Deus, aprendemos com o apóstolo Paulo que, todos os que servem a Cristo como soldados, jamais podem se embaraçar com negócios desta vida, mas tem que ter como finalidade agradar aquele que o alistou para a batalha, salvo ter se alistado por engano, ou por pressão familiar ou ministerial, nesses casos o que o soldado deve fazer é abandonar a batalha e procurar outra coisa ou função para exercer, desde que não seja batalhar em prol ao evangelho de Cristo, a não ser que abandone as demais coisas e se entregue totalmente a sua chamada.

Jesus foi muito claro quando escolheu doze discípulos para segui-lo, disse lhes que se queriam de fato segui-lo, era necessário negar-se a si mesmo, abandonar tudo para trás para fazer a sua vontade, vemos isso claramente na chamada de cada um deles, quando uns pescavam, disse-lhes, vem e sigam-me, de hoje em diante vocês não serão mais pescadores de peixe, mas de homens (Marcos 1:17),

Em outra ocasião quando falava, um dos discípulos pediu lhe permissão para ir sepultar seu pai que havia falecido, respondendo Jesus disse-lhe que deixasse os mortos sepultar os seus próprios mortos (Mateus 8:22), como quem diz, você foi chamado para seguir-me e fazer a minha vontade.

Após a morte de Jesus, Pedro que outrora era pescador, e que fazia parte dos discípulos que haviam sido escolhidos pelo mestre, convidou outros discípulos para com ele voltar a pescar, mas no meio da pescaria, Jesus que havia ressuscitado ao terceiro dia apareceu a Pedro e por três vezes o interrogou, querendo saber se de fato Pedro o amava do fundo do coração.

Sim Senhor, tu saber que eu te amo, ouvindo isso da boca de Pedro, Jesus falou-lhe, Apascenta as minhas ovelhas...

Pelo pouco período que permaneci no seminário teológico, pude notar que a maioria dos alunos que estão se preparando para futuramente exercer o ministério estão lá porque um dia receberam a chamada do mestre, e tem convição da mesma, porém ainda uma pequena minoria que já estão no ministério ainda se confundem entre a sua chamada e os negócios dessa vida, não sabem ainda para que foram chamados, ou se sabem, não exercem a chamada agradando aquele que o alistou, como o apostolo Paulo orienta a Timóteo.

Estão divididos entre o rebanho que o Senhor lhes confiou e o parlamento , ou a prefeitura e a câmara de vereadores da sua cidade, visto que devemos fazer a obra de Deus com amor e dedicação torna se impossível fazer quando se divide entre dois pensamentos.

Aproveito para fazer menção de alguns deputados que outrora eram conhecidos como grandes pastores, muitos jovens se inspiravam em seu compromisso com a palavra de Deus, até admiravam suas mensagens de cunho pentecostal, pregavam em grandes congressos e eram conhecidos no Brasil como conferencistas, até que, aproveitando a sua fama no meio evangélico, se elegeram, dividindo a sua chamada com o parlamento, fizeram a sua própria ruína, uns foram acusados de roubo, outros ao ouvirmos suas mensagens notamos que não passa de discurso político, perderam a graça de Deus na vida.

Meu amigo pastor e obreiro da casa do mestre, não destrua a sua chamada, cumpra o seu papel como ministro do evangelho, exerça o dom que há em ti e não divida a sua vida entre a igreja e o legislativo, cuide das ovelhas que o mestre lhe confiou.
Pb. Paulo Cézar de Lima

Nenhum comentário:

Artigos mais Lidos

Caixa de promessas